O Segredo do meu marido

Por motivos de preguiça, copiei a ótima sinopse do livro do Skoob:

O Segredo do Meu Marido – Ela virou o envelope. Estava lacrado com um pedaço de fita adesiva amarelada. Quando a carta tinha sido escrita? Parecia velha, como se tivesse sido anos antes, mas não havia como saber ao certo. Imagine que seu marido tenha lhe escrito uma carta que deve ser aberta apenas quando ele morrer. Imagine também que essa carta revela seu pior e mais profundo segredo – algo com o potencial de destruir não apenas a vida que vocês construíram juntos, mas também a de outras pessoas. Imagine, então, que você encontra essa carta enquanto seu marido ainda está bem vivo…

Cecilia Fitzpatrick tem tudo. É bem-sucedida no trabalho, um pilar da pequena comunidade em que vive, uma esposa e mãe dedicada. Sua vida é tão organizada e imaculada quanto sua casa. Mas uma carta vai mudar tudo, e não apenas para ela: Rachel e Tess mal conhecem Cecilia – ou uma à outra -, mas também estão prestes a sentir as repercussões do segredo do marido dela. Um romance emocionante, O Segredo do Meu Marido é um livro que nos convida a refletir até onde conhecemos nossos companheiros – e, em última instância, a nós mesmos.

o segredo do eu marido

Minha opinião:

Escolhi esse livro em uma troca no Skoob. Pelo título e pela capa, achei que tinha cara de Chicklit e me interessei, já que adoro esse gênero. Minha surpresa ao ler o livro foi que as piadinhas e romances frívolos de chicklit não faziam parte da história. Que sim, há mulheres protagonistas, há romance, há relação familiar envolvendo filhos, marido e sogra, mas este não é um livro leve para ler enquanto faz as unhas.

As histórias são fortes e muito bem construídas e o tal “segredo do marido” é algo que me deixou em conflito moral. Até discuti com meu marido sobre o que nós achávamos que Cecília deveria fazer. O final é como eu achei que iria ser, mas com uma surpresa muito bem colocada.

Foi o primeiro livro do ano que levou 5 estrelas em minha avaliação. Não é um livro que vai mudar sua opinião, percepção crença ou te trazer algum grande aprendizado para a vida. Mas é um livro muito bem escrito com uma história tocante e envolvente que deve ser conhecido pelos amantes do romance contemporâneo.

Obs: Tupperware
Cecília Fitzpatrick é revendedora da Tupperware e é famosa na cidade por seus eventos e dicas incríveis sobre como a tupperware facilita a vida da dona de casa. Eu achei essa característica da personagem incrível. Lembrei de quando era criança e via essas ‘consultoras’ da marca que faziam reuniões para apresentar os tais potes que duravam a vida inteira (realmente, minha mãe tem alguns que estão em ótimo estado há uns 15 anos). Se essa história foi algum tipo de merchandising, parabéns. Fiquei morrendo de vontade de trocar todos os meu tapoé de R$1,99 pelos originais e lindamente duradouros.

Nota: 5,0/5,0

Anúncios

Resenha- Eu só queria ser uma mulher normal

Sinopse

Cecília acabou de fazer 30 anos e está divorciada, desempregada, morando com a mãe e acabou de levar um pé na bunda. Como uma forma de expurgar todo esse ‘carma’ que a acompanha, resolve voltar a cidade natal de sua família para uma pequena investigação: descobrir se a ‘anormalidade’ feminina é algo que corre nas veias da família.

eu so queria ser uma mulher normalOpinião

Percebi que leio pouco os autores nacionais, então esbarrei com este livro na Saraiva e decidi dar uma chance a ele. Já adianto que me arrependi.
Não gostei de algumas coisas do livro, mas vou começar com os pontos positivos por uma questão de educação e otimismo.

A leitura é fluida e consegui ler o livro em dois dias. A personagem principal é verossímil, na verdade, todas as personagens são bastante reais e tudo o que acontece com elas é bastante possível, para não dizer, comum. Achei que esse “excesso de normalidade” da história chega a ser engraçado, se formos pensar no título do livro.

Quem conta a história é Cecília, de uma forma que lembra um diário. A moça está em busca de uma revelação que possa ter grande impacto  em sua vida e, embora essa descoberta aconteça, não há nada que impressione o leitor. Senti falta de conflitos na trama e um final surpreendente, mas só encontrei um enredo linear com muitas descrições sobre muitos personagens que aparecem por 2 ou 3 parágrafos e vão embora sem acrescentar nada.

Li na orelha do livro que Débora Rubin já publicou um livro infantil e , às vezes, tive a impressão de realmente estar lendo um texto para crianças. Uma pena. Acho que para aumentar o meu repertório de autores nacionais, vou mergulhar nos clássicos que deveria ter lido na escola, mas fiquei com preguiça.

Nota: 2,0/ 5,0

Miniconto- Promete?

baloons

-Promete que vai guardar meus desenhos e meus troféus do futebol?
-E que vai ter paciência para me explicar química orgânica?
-Promete que não vai me esquecer na escola e que não vai chorar quando ninguém aparecer naquela festa de aniversário por causa da chuva forte?
-E que não vai me levar naqueles teatros de fantoche?
-Mas aqueles teatrinhos são tão legais! E são ótimos para o desenvolvimento cognitivo.
-Aqueles teatrinhos são um saco. Ninguém gosta daquilo, é unanimidade.
-Jura? Acho que estamos desavisados por aqui. Se é assim, tudo bem, prometo.
-Promete que vai procurar os monstros debaixo da minha cama quando o nosso cachorro John for embora? Ele é o melhor espanta-monstros do mundo, sabia?
-Sim eu sei. Vou pedir para ele me ensinar essa tarefa e prometo fazer o meu melhor.
-E promete virar as panquecas no ar para o nosso café da manhã de domingo?
-Posso delegar essa função para a tia Carol? Não quero fazer promessas tão distantes da realidade.
-Tudo bem, eu gosto da tia Carol.
-E ela faz ótimas panquecas, você vai ver.
-Agora o mais importante de tudo; promete que vai me amar quando eu tirar o seu sono, a sua fome, as suas férias, a sua poupança e estragar todas as suas tentativas de reencontrar as amigas da faculdade por uns três anos?
-Prometo que vou te amar nessas horas, e em todas as outras.Por todos os dias da minha vida.
-Tudo bem, mãe. Pode fazer xixi no palitinho, já cheguei.

Para Ju, Beto, John e Clara.