Duas Cartas

22/01/95 Li recentemente que escrever uma carta é mandar uma mensagem para o futuro. Pois bem, como o futuro é o único lugar onde você poderá ler estas palavras, minha filha, achei acertado escrevê-las agora. Hoje é seu primeiro aniversário. Sua mãe foi às pressas ao supermercado comprar alguns itens de última hora para sua festa. Parece que Marina, sua tia, ligou avisando que está de regime e que só bebe refrigerante diet. Veja se tem cabimento? Quem quer emagrecer bebe água, e não liga de véspera pra arrumar trabalho para os outros, não é mesmo? Mas tudo há seu … Continuar lendo Duas Cartas

Sem ponto final

Já reparou que protagonista de romance tem que ter grana, beleza, inteligência, trauma de infância, status e vontade de vencer na vida, e que se o romance for na onda do feminismo é a mulher que tem tudo isso e o cara tem nada, com sorte sobra um trauma de infância para fazer a composição da personagem, mas protagonista que é protagonista tem que ter desejo de vencer na vida porque ninguém vai escrever história de quem acorda às 6 da manhã e medita, e trabalha, e passeia com o cachorro, e esquenta uma sopa, e vê House of Cards, … Continuar lendo Sem ponto final

Resenha de ‘A Coroa’ (#5 da série A Seleção)

Começo essa resenha dizendo que terminei de ler A Coroa e imediatamente comecei a reler a trilogia original de A Seleção. Precisava me lembrar porque me apaixonei por este mundo de distopia de princesas criado por Kiera Cass. Felizmente me lembrei, e me empolguei novamente com intrigas, revoltas, vilões, batalhas (e mortes!), jogo político,mistério, personagens fortes e uma bela história de amor que amarra tudo isso. E cadê esses elementos nos dois últimos livros da série, que falam da seleção protagonizada por Eadlyn, filha do casal queridinho dos três primeiros livros? Em A Herdeira, livro #4(tem resenha aqui) eu já senti … Continuar lendo Resenha de ‘A Coroa’ (#5 da série A Seleção)

Será que eu aprendi a tocar guitarra? #as20primeirashoras

E com um senhor atraso eu venho aqui avisar que concluí as 20 horas de prática de guitarra! AEEEEEEE !!!! Demorou mais do que eu pensava, mas já adianto que o resultado foi bem interessante. Além de ter perdido perdido o medo de me jogar nos acordes e tablaturas, eu vi que é possível desenvolver novas habilidades e aprender coisas novas, mesmo nessa vida corrida de ‘gente grande’. Aprender a tocar um instrumento é parecido com aprender a dirigir, no começo tudo requer muita atenção e concentração (cheguei a sentir a mente exausta), mas depois o corpo meio que aprende … Continuar lendo Será que eu aprendi a tocar guitarra? #as20primeirashoras

Outliers- fora de série (resenha)

Conversando em um jantar com um amigo sobre meu projeto “As 20 primeiras horas”, descobri que a tal teoria das 10 mil horas de dedicação para se tornar um expert em uma área foi primeiramente abordada neste livro do Malcolm Gladwell entitulado Outliers (em português “Fora de Série”). É claro que fiquei bastante curiosa para ler o texto na íntegra e saber dessa história direto na fonte, e tive a grata surpresa ao ver que Outliers vai muito além das 10 mil horas. ‘Outlier’ é  o que podemos chamar de ponto fora da curva. Algo de destaque tão grande que foge … Continuar lendo Outliers- fora de série (resenha)

Leituras de Fevereiro 2016

Era pra ser um vídeo rápido sobre os livros que li no mês passado, mas falei tanto que acabou virando um curta-metragem com 4 resenhas literárias.  (isso porque eu editei muito! No original era um longa metragem) Chega de enrolação e vamos ao vídeo. Quem gostar desse tipo de conteúdo me avisa que eu posso fazer mais posts assim. Ou não. Eu não sou muito disciplinada nas postagens, né? É a vida. Bj! Livros citados: A Civilização do Espetáculo- Mario Vargas Llosa After 1 e 2 – Anna Todd O Velho e o Mar – Ernest Hemingway Mulheres- Charles Bukowski Continuar lendo Leituras de Fevereiro 2016

1 mês para aprender a tocar guitarra #as20primeirashoras

Agora sim vai começar o projeto ‘As 20 primeiras horas’ ! Como primeira meta, escolhi aprender (finalmente) a tocar guitarra. Já estudei música há bastante tempo atrás, mas por ter coincidido com o período de vestibular, acabei não me dedicando muito a prática do instrumento. Então tive, por anos, uma guitarra encostada, vontade de aprender e quase nenhuma disciplina para treinar. O bom de ter essa meta das 20 horas é que consigo organizar meus horários para dar um gás maior no aprendizado. Não sei se com todo mundo é assim, mas ao ver a linha de chegada fica mais … Continuar lendo 1 mês para aprender a tocar guitarra #as20primeirashoras

Projeto “As 20 primeiras horas”

Primeiramente, Feliz Ano Novo! (piada velha e boba, mas todo fim de carnaval é assim) Segundamente, decidi testar uma teoria que vi na internet em 2016: a de que conseguimos aprender uma nova habilidade em 20 horas. Sim amigo nerd que tem sede de conhecimento mas que curte procrastinar no Netflix, em 20 horas dedicadas você pode aprender a tocar um novo instrumento, aprender uma língua ou um esporte. Não que você vá ser um grande mestre no assunto, mas consegue sair da zona do ‘eu não tenho a menor ideia de como se faz isso’ para um ‘ok, eu … Continuar lendo Projeto “As 20 primeiras horas”

A civilização do espetáculo – Opinião sobre o livro

“A civilização do espetáculo”, de Mario Vargas Llosa, foi a escolha do meu clube do livro para o mês de janeiro e, por já ter lido o texto “A sociedade do espetáculo”, de Guy Debord na graduação, logo me interessei bastante pela leitura. Realmente a introdução e o primeiro capítulo do livro fazem essa ponte com a obra de Debord, uma crítica a perda de valores da sociedade, sendo tudo reduzido ao entretenimento. O jornalismo perde seu caráter crítico e investigativo e aumenta o número de reportagens sensacionalistas e cobertura da frivolidade. A literatura também foge do convite a reflexão … Continuar lendo A civilização do espetáculo – Opinião sobre o livro

Para ela

Às vezes eu quero te ligar para tirar uma dúvida. Às vezes eu quero perguntar às meninas se você vai em tal festa. Às vezes eu me pergunto se você quer carona ou dormir no meu sofá. Às vezes tento descobrir quem te tirou no amigo oculto. E todas as vezes que meus pés voltam ao chão, meu coração se parte mais um pouco. Sei que deveria me sentir grata pelo privilégio de conviver 17 anos ao seu lado, mas na maioria das vezes eu confesso, só consigo sentir saudades. Continuar lendo Para ela