Sem ponto final

Já reparou que protagonista de romance tem que ter grana, beleza, inteligência, trauma de infância, status e vontade de vencer na vida, e que se o romance for na onda do feminismo é a mulher que tem tudo isso e o cara tem nada, com sorte sobra um trauma de infância para fazer a composição da personagem, mas protagonista que é protagonista tem que ter desejo de vencer na vida porque ninguém vai escrever história de quem acorda às 6 da manhã e medita, e trabalha, e passeia com o cachorro, e esquenta uma sopa, e vê House of Cards, e dorme, e acorda porque isso não é história de protagonista de romance, isso é história de gente, e gente não se interessa por história de gente, porque gente quer ler sobre protagonista que deseja vencer na vida, mesmo que a vida de uma pessoa seja a vida de só uma pessoa, e se só tem um competidor na corrida não tem como chegar em segundo lugar, então todo mundo vence na própria vida, mas o cara do cachorro e netflix que não compete com ninguém e não tem desejo de vencer na vida e nem trauma de infância não pode ser protagonista de romance, porque gente que não quer vencer na vida não gosta de ver história de gente que não quer vencer na vida e escolhe na netflix a história do cara que tem grana e beleza e inteligência e trauma de infância e vontade de vencer na vida

Anúncios

Um comentário sobre “Sem ponto final

  1. Pingback: Escritas Performáticas | Sanduíche de Papel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s